Pedagogia‎ > ‎

Pedagogia da Fé

Domingo de Páscoa

Publicado a 17/04/2017, 01:59 por CNE JN Oriental Webmaster

O Senhor Ressuscitou verdadeiramente. Aleluia! E apareceu a Simão (Pedro). Aleluia!

Esta foi nos primeiros séculos da Igreja a saudação pascal dos cristãos de Roma. Com quanta alegria e emoção os cristãos daquela cidade davam uns aos outros a mais bela novidade da história! Este é o verdadeiro Evangelho, a verdadeira boa notícia: a morte e o mal não tiveram a última palavra sobre o destino da humanidade porque Deus, o próprio Deus, por amor, veio visitar e redimir o seu povo. Aleluia!

E foi precisamente graças ao anúncio de Simão Pedro, testemunha da vida, Paixão, morte e ressurreição de Jesus, que os homens e as mulheres de Roma e de todo o Ocidente, souberam que a morte tinha sido vencida, porque o próprio Senhor Jesus apareceu vivo e ressuscitado a Simão Pedro e aos outros Apóstolos, e os enviou a anunciar esta boa novidade, e a baptizar e a ensinar a cumprir tudo aquilo que Ele tinha mandado. E Pedro, pescador de um lago perdido na terra da Palestina, deixou o barco, a casa, a sua família, o seu povo, a sua língua, e veio até à capital do Império para que Jesus pudesse começar a reinar nos corações tocados pela maravilhosa novidade. Por isso, os cristãos de Roma têm em relação a S.Pedro uma eterna gratidão. Esta é a mesma gratidão que também nós devemos sentir. Se nós hoje temos fé, a fé que salva, devemo-lo ao Apóstolo Simão Pedro, e aos outros apóstolos de Jesus.

O Senhor Ressuscitou verdadeiramente. Aleluia! E apareceu a Simão. Aleluia!

Aviso à navegação: não me esquecer do desafio de dedicar diariamente um tempo de meditação do evangelho de cada dia. Para nós nada é impossível!


Domingo de Ramos

Publicado a 09/04/2017, 15:13 por CNE JN Oriental Webmaster   [ atualizado a 09/04/2017, 15:16 ]

Desafio: conhecer e seguir Jesus

Impressiona pensar que, provavelmente, os mesmos que gritaram hossanas a Jesus no Domingo de Ramos, e o aclamaram rei, são os mesmos que na Sexta-feira Santa gritarão: “Crucifica-o! Crucifica-o!”... “Antes Barrabás!”. A traição e a Paixão já se sentem no ar... a Paixão de Cristo e da sua Igreja... E não nos esqueçamos que Jesus é traído precisamente pelos seus amigos... é traído por aqueles que ele chamou e formou. E também nisto “o discípulo não é maior do que o Mestre”, por isso também nós temos que estar preparados para sermos perseguidos por procurarmos ser fiéis a Jesus. É a consequência de sermos parte do Corpo de Cristo que é a Igreja. Escreveu S.Cláudio, meditando na sua própria experiência: “A quantidade de inimigos que temos que combater desde o momento que tomamos a resolução de nos tornarmos santos. Parece que tudo se desencadeia: o Demónio com as suas astúcias, o mundo com os seus atractivos, a natureza com sua resistência que se opõe aos nossos bons desejos; os louvores dos bons, a crítica dos maus, as pressões dos tíbios”...

Devemos de estar prevenidos e preparados. Devemos de vigiar e orar para que, chegando a tentação de trair Jesus, de abandonar Jesus e a fé e doutrina que nos deixou, não nos deixemos enganar e arrastar. Só à luz da Paixão de Cristo podemos meditar na Paixão da Igreja, preparando-nos para a luta, na fidelidade a Cristo. Quantas vezes não somos apontados e ridicularizados por sermos cristãos, discípulos de Jesus? Quantas vezes não nos veio a tentação de fingir que não somos cristãos, por falsos respeitos humanos? Quantos amigos nossos não abandonaram a fé?
Unido a ti, Senhor, muito abraçado à tua cruz, seguir-te-ei pelo caminho da Vida. Livra-me do caminho da traição e da apostasia, Senhor. E digo como S.Pedro disse um dia quando estavam todos a voltar as costas a Jesus porque a sua doutrina era exigente: «A quem iremos nós, Senhor? Só tu tens palavras de vida eterna!» (Jo 6, 68).

Quinto Domingo da Quaresma

Publicado a 31/03/2017, 13:21 por CNE JN Oriental Webmaster

Desafio: conhecer e seguir Jesus

Jesus veio libertar-nos da nossa própria rebeldia, que tanto mal nos faz, e veio ensinar-nos o caminho da verdadeira liberdade que consiste em aderir de alma e coração à vontade de Deus. E esse ensino, precioso para a nossa vida, encontramo-lo na Sagrada Escritura e na doutrina da Igreja. Queres seguir Jesus? Segue a Igreja. Ninguém pode ter a Deus por Pai se não quer ter a Igreja por Mãe. Ao contrário daquilo que tantos te tentam convencer, a doutrina da Igreja, não é um pesado jugo que temos de carregar sobre os nossos ombros: é o dom mais precioso que Jesus Cristo nos deixou, através dos seus Apóstolos, para nós podermos acertar o caminho! E o caminho é a conversão de vida... é a santidade. É querer de todo o coração fazer em tudo e sempre a vontade de Deus, que é o melhor para nós. É deixarmos que Cristo nos liberte das mil prisões e cadeias que nos impedem de caminhar e de O seguir. Por isso, se Jesus me diz “segue-me!” não tenho tempo a perder. Faço de tudo para discernir a vontade de Deus, medito e rezo a Sagrada Escritura, acolho com amor filial a doutrina da Igreja e, cheio de alegria porque, fazendo parte da Igreja sou membro do Corpo de Cristo, digo a Jesus de todo o coração: seguir-te-ei, Senhor! Que eu nunca me afaste da Tua Igreja. Estamos todos da mesma barca!

Aviso à navegação: não me esquecer do desafio de dedicar diariamente um tempo de meditação do evangelho de cada dia.

Quarto Domingo da Quaresma

Publicado a 26/03/2017, 12:35 por CNE JN Oriental Webmaster   [ atualizado a 26/03/2017, 12:36 ]

Desafio: conhecer e seguir Jesus

O convite de Jesus a segui-lo assusta-nos por causa da cruz. Ninguém gosta de sofrer. Por isso é importante que se perceba que a cruz é o caminho para o Reino de Deus, não é o fim, tal como a Quaresma é caminho para a Páscoa. Deus não só «nos libertou do poder das trevas» como «nos transferiu para o Reino do seu amado Filho, no qual temos a redenção, o perdão dos pecados». (Cl 1, 13-14). Não pode haver maior alegria!
E como é esse Reino que é prometido a quem seguir Jesus? Sabemo-lo, por exemplo, pelo belíssimo prefácio da festa de Cristo Rei: «Com o óleo da alegria consagrastes Sacerdote eterno e Rei do universo o vosso Filho, Jesus Cristo, Nosso Senhor, para que, oferecendo-Se no altar da cruz, como vítima de reconciliação, consumasse o mistério da redenção humana e, submetendo ao seu poder todas as criaturas, oferecesse à vossa infinita majestade um reino eterno e universal: reino de verdade e de vida, reino de santidade e de graça, reino de justiça, de amor e de paz». Por isso, se Jesus me diz “segue-me!” não tenho tempo a perder. Abraço a cruz, e com o coração empolgado de alegria por causa do Reino digo a Jesus: seguir-te-ei, Senhor! Que eu persevere até ao fim.

Aviso à navegação: não me esquecer do desafio de dedicar diariamente um tempo de meditação do evangelho de cada dia.

Terceiro Domingo da Quaresma

Publicado a 18/03/2017, 16:22 por CNE JN Oriental Webmaster

Desafio: conhecer e seguir Jesus

Diz Jesus, numa meditação dos Exercícios Espirituais de S.Inácio: «Minha vontade é conquistar todo o mundo e todos os inimigos, e assim entrar na glória de meu Pai; portanto, quem quiser vir comigo, há-de trabalhar comigo, para que seguindo-me na pena, me siga também na glória» (EE.95). Mas, porque razão é que Jesus nos chama a segui-lo na pena, ou seja, a renunciar a nós próprios e a tomar a cruz? Porque o nosso caminho para a glória do Pai é esse mesmo: seguir o caminho de Jesus porque ele é o Caminho que Deus nos oferece a todos nós. A Igreja é Corpo de Cristo, que é a Cabeça da Igreja. Por isso, a Igreja, Corpo de Cristo, não pode desejar para si um caminho diferente da Cabeça da qual é Corpo, para que, seguindo a Cristo na Paixão o siga na glória da Ressurreição! Por isso, a Paixão de Cristo é a Paixão da própria Igreja.  Temos que percorrer o mesmo caminho de Jesus. Quando algum cristão deixar de caminhar, de lutar interiormente e deixar de ser perseguido por causa da verdade e por causa de Cristo, provavelmente significará que já se adequou ao mundo… está já num inexorável processo de decadência… os seus dias estão contados… é sal que perdeu a força e luz que se extinguiu...
Por isso, se Jesus me diz “segue-me!” não tenho tempo a perder. Abraço a cruz e digo a Jesus: seguir-te-ei, Senhor! Que eu nunca me afaste de ti.
Aviso à navegação: não me esquecer do desafio de dedicar diariamente um tempo de meditação do evangelho de cada dia.

Segundo Domingo da Quaresma

Publicado a 11/03/2017, 05:09 por CNE JN Oriental Webmaster

Desafio: conhecer e seguir Jesus

Para nós cristão Jesus é o tudo da nossa vida! Seguir Jesus é imitá-lo. É aprender com ele, e com a sua vida. Aproveitemos esta Quaresma para o imitar concretamente na oração, no jejum, e na esmola. Começando pela oração – tudo começa pela oração – proponho para os chefes e adultos uma leitura espiritual para aprender o caminho de Jesus. Uma proposta concreta é a de ler e meditar o livro: Carta circular aos amigos da Cruz, de S.Luís Maria Grignion de Montfort (editada em Portugal por “Caminhos Romanos”).

Mas, o desafio para todos nesta Quaresma (e até para a vida) é conhecer Jesus profundamente através da meditação do evangelho de cada dia. Só assim conseguimos mergulhar no nosso interior onde Deus fala... só assim conseguimos sair da superficialidade. E um escuta detesta a superficialidade... a banalidade... Ser cristão é conhecer Jesus! Para isso é fundamental dedicar todos os dias um tempo à meditação do Evangelho do dia. A forma mais proveitosa de o fazer, é ler todos os dias à noite o evangelho que se vai meditar no dia seguinte, de preferência pela manhã. Esse tempo de diálogo de amizade com Deus que é a oração é o melhor momento para resolver com Jesus os desafios e problemas da nossa vida, e discernir a vontade de Deus para mim. Se Deus toca profundamente e me mostra a sua vontade o melhor que tenho a fazer é segui-la, por que Deus é Amor, Deus ama-me, e o melhor que eu tenho a fazer é aderir de alma e coração à vontade de Deus.

Devo no entanto saber que não há oração sem sacrifício. Oração não rima com comodismo. Por isso, é de todo conveniente unir à oração o jejum e a abstinência, e outras penitências concretas que me ajudem a libertar-me do egoísmo rebelde que me paralisa e me faz tanto mal, e aderir de alma e coração à vontade de Deus. Daqui só podem nascer frutos de santidade, de entusiasmo, de apostolado e de misericórdia, sabendo que o bem que fazemos não é para nossa vaidade própria.

Primeiro Domingo da Quaresma

Publicado a 04/03/2017, 03:36 por CNE JN Oriental Webmaster

Desafio: conhecer e seguir Jesus

Deus deu-nos a graça de iniciarmos nestes dias mais uma Quaresma da nossa vida que nos há-de levar à grande festa da Páscoa... Não deixemos que esta graça que Deus nos dá seja em vão. Uma vez mais encontramo-nos com Jesus que nos diz olhos nos olhos: «Se alguém quer vir após Mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz todos os dias, e siga-Me» (Lc 9,22). Deixo que estas palavras me toquem profundamente o coração. Repito-as e rezo-as, até que neste gesto de abraçar a cruz, seguindo Jesus, eu encontre o meu próprio caminho de verdadeira felicidade e de paz. E escuto Jesus que me diz: «Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que seguem por ele. Como é estreita a porta e quão apertado é o caminho que conduz à vida, e como são poucos os que o encontram!» (Mt 7, 13-14).

Agora percebo melhor o que significa renunciar a mim mesmo... significa renunciar ao meu comodismo, à minha arrogância, às minhas manias, às minhas à minha falta de fé, para poder seguir Jesus. Porque o que interessa é seguir Jesus! E se Jesus me diz “segue-me!” não tenho tempo a perder: Seguir-te-ei, Senhor!
Ajudas para o caminho: Um cristão é sempre um discípulo de Jesus. O discípulo é aquele que acompanha o seu mestre, vive com ele, vê o que ele faz e aprende o que o mestre tem para ensinar. Para eu ser cristão, para eu ser discípulo de Jesus e para o poder conhecer melhor e aprender com ele o caminho da Vida, eu tenho que ler e meditar especialmente o Novo Testamento. O desafio desta Quaresma – um belo desafio para um escuteiro para quem o impossível não existe – é o de comprar a Liturgia Diária, que tem as leituras para todos os dias, e dedicar em cada dia um tempo (15 minutos... meia hora) à meditação do Evangelho do dia, lendo-o sempre na noite de véspera, para preparar o tempo de meditação do dia seguinte. Encontrar na minha meditação do evangelho de cada dia (esta é uma das mais belas formas de oração) gestos concretos de penitência e de conversão de vida de acordo com aquilo que Jesus me desafia a viver. Por exemplo, ser misericordioso com os outros, com gestos concretos de bondade e de partilha, tal como Deus é misericordioso comigo. E em tudo isto seguir Jesus...

Aceito o desafio?

Início da Quaresma

Publicado a 23/02/2017, 08:55 por CNE JN Oriental Webmaster

Desafio: conhecer e seguir Jesus
Meus amigos, todos nós sabemos muito bem o que significa ser rebelde, ou não tivéssemos nós sido embalados ao som do “Nasce selvagem...”. De facto a rebeldia e a teimosia são desafios (tentações) com as quais todos temos que lutar. A rebeldia da humanidade em relação a Deus é a chave da história da nossa perdição. E o que é mais triste é que somos precisamente nós a sofrer com a nossa própria rebeldia! Pensemos no filho pródigo... Pelo contrário, a plena confiança em Deus, a obediência da fé, é a chave da história da salvação.
Para nos curar desta rebeldia, desta falta de fé que nos desorienta completamente e que tanto mal nos faz, Jesus veio a este mundo para nos ensinar com a sua palavra e com a sua vida que:
- Deus é Amor…
- Deus me ama com um amor único, incomparável, que cuida de mim, que deseja o melhor para mim…
- Por isso... o melhor que eu tenho a fazer é aderir com toda a liberdade e de todo o coração a Deus e à sua vontade que é o melhor para mim! Esta é a descoberta fundamental da nossa vida!
O que temos então nós a fazer?
Seguir Jesus. Ser cristão significa hoje, tal como no início, ser discípulo de Jesus. Estar com Ele. Permanecer com Ele. Ver o que faz. Ouvir o que diz. Ver e ouvir como Ele reza ao Pai. É o encontro pessoal com Jesus, nos sacramentos e na oração, que pode mudar radicalmente a minha vida porque só Jesus é a solução, o Caminho da minha vida. Por isso é fundamental ler e meditar a Palavra de Deus, especialmente o Novo Testamento.
O desafio desta Quaresma é dedicar todos os dias um tempo de meditação do evangelho do dia. E como se medita? Medita-se como se cuida de uma fogueira. E ninguém como um escuta para saber acender uma fogueira! No início é necessário atear o fogo, é necessário silêncio, concentração, paz... colocar-se na presença de Deus (é bom aproveitar para fazer a meditação da Palavra de Deus numa Igreja, ou então na própria natureza). Para fazer uma fogueira é necessário fazer fogo. Faz-se fogo na meditação invocando o Espírito Santo de Deus. Depois, sem pressa, vou mantendo o fogo aceso (não me esquecer que a meditação é oração) acrescentando uma palavra ou uma frase do evangelho conforme for sentindo a necessidade, para que o fogo não se apague, tal como se vai acrescentando os ramos e troncos à fogueira, e aconchegando os troncos com as brasas.


1-8 of 8